Ética-Estética-Política

Español English

"El porvenir es inevitable, preciso, pero
puede no acontecer. Dios acecha en los intervalos"
Jorge Luis Borges

Não menos que três, do urbano contemporâneo

1-Jorge Mario Jáuregui
2-Eduardo Vidal


Edifício de atividades esportivas - Favela Bairro Fubá-Campinho

Em conversações sobre "Ulisses", James Joyce imagina que se por ventura um dia Dublin desaparecesse, a cidade poderia ser reconstruída através da leitura de sua obra.

Sigmund Freud encontrava nas estratificações de Roma um trabalho equivalente ao do inconsciente onde elementos arquitetônicos de diferentes épocas e significações históricas convivem lado a lado em turbilhão, a despeito da coerência, provocando novas relações de sentido. Assim, a "Cidade Eterna" metaforiza o que há de indestrutível no desejo do homem que habita no inconsciente. As cidades podem ser vistas, então, como redes de escritura sustentadas no puro traço presente nos projetos e traçados, muralhas e monumentos e, também, nos escritos, nas legendas e graffites. A modo de palimpsesto se entrelaçam camadas de escrituras e séries de letras que permanecem longo tempo "esquecidas" à espera do leitor, em latência. E, da leitura surge a dimensão da interpretação dos rasgos, superposições, dobras, como uma tarefa específica relativa ao "resto" constituído pela acumulação urbana considerada como herança de fragmentos de várias urbanidades sobrepostas.

Jorge Luis Borges recorre à uma metáfora para falar da fundação mítica da sua cidade. Ele diz, em "Palermo de Buenos Aires" que : "afortunadamente o copioso estilo da realidade não é o único, há também o da lembrança cuja essência não é a ramificação dos fatos, senão a perduração de traços isolados" e, mais à frente, "recuperar essa quase imóvel pré-história seria tecer insensatamente uma crônica de infinitesimais processos". Em outra ocasião, em um de seus poemas Borges escreve que "cada casa é como um candelabro onde a vida dos homens arde como velas isoladas", o que suscita em nós uma associação com a função dos bares como espaços que possibilitam um especial ritual numa cidade como Rosario, na Argentina, onde eles funcionam como altares onde se consome a vida, não em função da utilidade do espaço, senão do desejo, da explicitação de projetos de vida, de futuro, que implicam uma potência de "vir a ser". Estes locais, com seu interior sempre visível ou "adivinhável", constituem espaços "escavados" onde a permeabilidade entre o público e o privado e o apagamento dos seus limites, é seu rasgo distintivo; lugares de encontro com o outro, de cruzamentos de saberes e experiências de vida relatados ao longo de demorados "cortados", constituem um patrimônio social que implica um valor cultural como predomínio do valor de uso associado ao consumo de lugar, e não a lugar de consumo.

Assim, tencionada entre realidade "objetiva" e realidade "discursiva", a cidade é primeiramente produto cultural, mas também, produtora de cultura.

Quem habita a cidade se habitua aos signos através dos quais circula e deambula. Por isso ás vezes é necessário um olhar de fora, um olhar "estrangeiro", que se depara com o estranho da diferença e faz aparecer aquilo que sempre esteve à nossa volta. O olhar que des-cobre a cada instante a cidade, a funda de novo. O habitante não é um contemplador do seu constante devir, pois, habitar uma cidade implica em ser chamado a decifrar, aprender a ler, interpretar, sendo convocado a colocar a parte de seu desejo.

Com Italo Calvino pensamos a "cidade escrita": "...nessa muda cenografía de pedras falta o elemento mais característico, ainda visualmente, da cultura latina: a escritura. A cidade romana era a cidade escrita...". Cidade escrita que preserva e oferece ao leitor traços e letras gravados no "concreto". Cidade escrita, enquanto ela é a própria escritura da linguagem, numa materialização do espacial-temporal em permanente estado de turbilhão.

Tomemos agora como referência o tema da Bienal de Veneza, "Less Aesthetics, More Ethics", que soa como uma espécie de desafio no sentido de meditar sobre a consequência de nossos atos no interior da cultura contemporânea. Aceitamos a provocação e partindo dela iremos tecer algumas considerações sobre várias questões interrelacionadas.

Acrescentaremos, de início, um outro tema ao debate, desde o nosso ponto de vista fundamental, relativo ao político, buscando possibilitar um enodamento capaz de funcionar como desencadeante de novas associações, de novas perspectivas para o pensamento. A política se relaciona com várias dimensões referidas à materialidade do objeto. No campo do arquitetônico-urbanístico, todo o relacionado com o novo estatuto do "corpo" arquitetônico e suas articulações, de um lado, com o "socius" e, de outro, com os aspectos mais autobiográficos e mais secretos do ato projetual, à tona no campo do urbano.

Por conseguinte, não são menos que três as dimensões implicadas neste ato. A ética deixa de lado os grandes valores e ideiais para passar a se referir à responsabilidade pelos nossos atos.

Desde Aristóteles, a ação do homem é guiada por princípios éticos. Ao sujeito retorna a pergunta: a sua ação obedeceu à questão do seu desejo? Frente a esta pergunta, o ato projetual deve constituir a resposta, salientando que não se trata da subjetividade mas de uma estrutura desejante rigorosamente articulada ao desejo do Outro. Não há, pois, nada de pessoal nem subjetivo na resposta do desejo, mas o dever de produzir um ato transformador que diga das razões que o causaram. O que não exclui considerar o paradoxo de que há um ponto de enigma e de não saber em cada ato, mas que não isenta ao sujeito da sua responsabilidade. Mesmo que uma parte das decisões sejam tomadas de modo inconsciente, no sentido freudiano do termo, é neste lugar que emerge seu desejo, sendo então levado a responder como sujeito implicado no seu ato. Assim, a sua resposta é aquela que não cede de seu desejo em prol de demandas individuais ou coletivas, privadas ou públicas, e realiza o que deve ser feito, incluído, segundo Alain Badiou, numa trajetória.

Se algo foi profundamente afetado no sec. XX, foi a concepção da estética. Considerada tradicionalmente como domínio do belo, tanto na filosofia quanto na arte, a estética se sustenta na busca da imagem harmônica em que o homem projetou seu próprio ideal.

De distintos modos o sujeito foi afetado na sua suposta integridade ao longo do século passado, devendo reconhecer que ele é radicalmente dividido, não encontrándo-se inteiramente em nenhum dos seus enunciados, o que lança a pergunta sobre sua enunciação. Se a estética transcendental se apoiava na projeção de um corpo unificado, hoje somos afetados pela imanência dos corpos como superfícies onde se registram as pulsações, sempre parciais e fragmentárias, do desejo e da sexualidade.

O corpo desta estética já não é aquele da máquina e dos órgãos, mas o das bordas erógenas, sensível ao desejo do Outro. Evocamos aqui as imagens retorcidas dos corpos de gozo produzidas por um pintor como Francis Bacon que deslocou o olhar para o processo da contínua de-formação, operada por uma opacidade de gozo excluída da representação, por um vazio no simbólico em que todo sentido traz um ponto irredutível de "non sense".

Assim, se por estética entendemos o modo em que sentimos e somos afetados, hoje o ato projetual não tem como não contemplar o grito que ressoa da torção e da contorção, das falhas e dos resíduos humanos. O desafio da estética consiste em poder desestabilizar os hábitos e o sentido, que sempre é comum. A dimensão estética implica sempre a consistência, isto é, o que "existe com", o que se mantém junto, o que faz laço entre corpos. Podemos falar em diversos planos de consistência, visual e conceitual, por exemplo, levando sempre em conta a pulsão como pulsação do corpo, que faz parte do ato projetual. Desde a formulação das idéias e croquis iniciais, como interação entre a interpretação da estrutura do lugar e o processamento da "escuta" das demandas, até a transposição em configurações volumétrico-espaciais, e a elaboração formal da relação interior-exterior e público-privado, o desafio passa por inventar uma nova corporeidade intensamente consistente capaz de traduzir a nossa "zeitgeist".

Em relação com a dimensão política do ato, queremos destacar a necessidade de se manter um pensamento crítico sobre as condições e os imperativos da nossa época. Com que operamos na arte de conduzir a nossa ação para atingir os fins? Justamente com um ponto de falta que nos permita interpelar as demandas e as exigências dos discursos contemporâneos. A partir deste ponto, e relacionando-o com o campo da arquitetura e do urbano, a questão é como se interpretam as demandas, como se configura o vazio, segundo o tratamento das bordas. E junto com isso o relativo à captação e condução da luz, e a criação de diferentes ambiências, articulando fluxos naturais e eletrônicos.

Constituir este ponto como fora-linha, em exclusão à predominância da idéia do todo, é que nos deixa advertidos, alertas em relação com a sedução da proliferação de imagens que permanentemente se renovam apresentando-se como a última versão, perfeita e completa, que vem substituir todas as anteriores com o intuito de fazer um novo tempo e espaço sem marcas.

Assim, a realidade mostra uma face "acelerada", em "tempo real", de supressão das distâncias físicas e de interconexão em redes cada vez mais amplas. No mundo atual existem elementos essenciais referidos à velocidade da informação e do transporte. Hoje, a cidade comporta várias velocidades simultâneas e sua experimentação demanda outros instrumentos de composição com os novos fluxos e conexões.

Estamos perante uma nova natureza do tempo e do espaço, e a nossa percepção também é feita de velocidade: som, luz, sucessão de imagens e mensagens, produzem uma intuição que funciona como "princípio de velocidade". Estamos no meio de uma mutação da subjetividade onde as cidades, as grandes metrópoles contemporâneas, as megacidades, operam como poderosas máquinas de produção de subjetividade. Contudo, não há lugar para uma posição de deslumbramento, pois o real resiste aos encobrimentos e quando não se o leva em conta reaparece nas formas mais violentas de segregação e aniquilação. Aqui, o real deve ser considerado como corte a essa proliferação desenfreada de signos, como uma positividade na medida em que força um registro, uma memória, uma escritura. A cidade escrita é aquela que registra as marcas do real produzindo a diferença, isto é, um lugar onde não se pode ceder, um lugar de engajamento e responsabilidade, um lugar onde se comprometer e fazer "parte de".

Duas cidades são a nossa referência, apesar da sua heterogeneidade geográfica, econômica, cultural e social: Rio de Janeiro e Berlin. Um traço distintivo as reúne: ambas são cidades partidas.

Rio, cidade anticlássica "por natureza", não obedece a um esquema centralizado; nela novas peças urbanas emergem a cada transformação social, tecnológica e econômica. Herança portuguesa povoada de influências africanas, não apresenta uniformidade nem continuidade. Muito mais rizoma (no sentido em que Gilles Deleuze utiliza este conceito) do que " árvore" (segundo a definição de Christopher Alexander), no Rio, "do luxo ao lixo" a distância é muito curta, como assinalou Joãosinho Trinta.

Nas últimas décadas suas contradições se aprofundam e se tornam explosivas, demandando novos conceitos e uma nova sensibilidade nas intervenções urbanas. Com tudo, o Rio resiste às pressões imobiliárias do capitalismo selvagem, e entre morros, lagoas e mar, sua topografia e bordas ondulantes se impõem à ação do homem.

No filme "Berlin-Cinema" de Samira Gloor-Fadel, apresenta-se uma leitura multidimensional capaz de articular a arquitetura e o espaço público com a memória e o acontecimento. Neste filme, Win Wenders afirma que cinema e espaço urbano seriam dois registros que comportam a interrogação do Outro: o que será que eles querem? - ele se interroga. Aqui é relevante o espaço em branco entre duas imagens, pois, neste "entre imagens" se configura o lugar onde a paisagem contemporânea efetivamente se constitui, com intenso significado e singular beleza, e onde o vazio se transforma em lugar significante. Esta cidade partida agora por um muro invisível é hoje o campo de batalha onde diferentes concepções do urbano se confrontam. Entre os que buscam restabelecer ilusórias "urbanidades" perdidas, e os que a vêem exclusivamente como manifestação de um capitalismo triunfante, a cidade demanda a produção de um traço de escritura suficientemente consistente para inscrever sua história em um permanente devir capaz de uma amálgama de múltiplas formas e espaços históricos.

Rio
Berlin

 

Retornando ao Rio de Janeiro, as intervenções de urbanização em favelas mostram a preocupação com a produção de uma junção, uma ponte que amarre, na cidade partida, o formal e o informal, o asfalto e o morro, o público e o privado, criando perspectivas de rearticulação do urbano-social.

A pergunta do arquiteto Rodolfo Machado (Presidente da Comissão Julgadora do Sixth Veronica Rudge Green Prize in Urban Design) sobre o que diferencia o urbanismo moderno daquele que nós praticamos hoje nas nossas intervenções no Rio, permitiu-nos reflexionar, a posteriori, sobre as substanciais diferenças entre ambos.

O urbanismo moderno partia da "tábula rasa", da desconsideração do existente e da idéia de que o físico (o projeto) seria a causa de novas relações sociais harmônicas (Brasília, Chandigarh, New Towns, etc). O projeto era posto como causa.

Hoje, invertendo o processo, começamos desde a leitura da estrutura de cada lugar considerado nos seus aspectos tanto físicos (urbanísticos, infraestruturais e ambientais) quanto sociais e econômicos (usos estabelecidos) e daí derivamos as premissas projetuais.

Agora, o projeto é consequência. Através dele, as intervenções propostas no existente considerado como construção coletiva, buscam reforçar as centralidades latentes ou manifestas, criando novos "atratores". Estes novos focos de vida urbana, pensados como espaços de convivência, buscam contribuir para a articulação física e social tanto em relação à vida de cada comunidade em si mesma, quanto em relação ao entorno e à cidade no seu conjunto.

Desde esta perspectiva, urbanizar favelas implica, partindo da interpretação das demandas da população, forçar o caos até convertê-lo em forma.

Mas, o que é um projeto arquitetônico ou urbanístico, para além do traço e do estilo? Estes dois aspectos configuram uma das dimensões, mas a questão não se reduz a isto; um projeto è algo lançado ao futuro e neste sentido implica assumir desafios. O que denominamos de "realidade" tem a ver com o jogo de signos e um projeto não se reduz a uma adaptação à realidade, ao existente, senão que surge sempre uma possibilidade de interferência, de releitura e ressignificacão.

Assim, a busca de novas articulações entre ética, estética e política pode contribuir significativamente na busca de uma nova direção para o nosso devir urbano, onde o sujeito possa encontrar uma ressonância nas sobre-determinações e onde as três dimensões apontadas possam reconstruir permanentemente seus vínculos, sem impor hierarquias.

Nesta via, o novo paradigma estético tem fortes implicações ético-políticas. Porque quem fala em criação, fala em responsabilidade da instância criadora em relação à coisa criada, em inflexão do estado de coisas, em bifurcação para além de esquemas pré-estabelecidos.

Biblioteca

Notas

1 Arquiteto Urbanista
2 Psicanalista

Bibliografia

Borges, J.L., "Palermo de Buenos Aires", in Obras Completas, Emecé Editores, Buenos Aires, 1974, p.105.
Calvino, I., "La ciudad escrita: epígrafes y graffiti" in Colección de arena, Ediciones Siruela, Madrid, 1998, p.119.
Calvino, I. "As Cidades Invisíveis", Ed. Companhia das Letras, São Paulo, 1995
Deleuze, G., Francis Bacon, "Logique de la sensation", Éditions de la différence, Paris, 1996.
Freud, S. , 'La interpretación de los sueños" in Obras Completas, Amarrortu Editores, Buenos Aires, 1986
_____, "El incosciente, op.cit
_____, "El malestar en la cultura", op.cit
Guattari, F, Deleuze, G., "Rizoma", Ed. Diálogo Abierto, Ciudad de México, 1994
Huyssen, A., "Seduzidos pela memória". Aeroplano editora, Rio de Janeiro, 2000
Lacan, J., "Écrits", Seuil, Paris, 1996
____, "Le Seminaire", livre VII, L'Ethique de la Psychanalyse, Editions du Seuil, Paris, 1968.
Perec, G., "Especies de espacios", Ed. Montesinos, Barcelona, 1999.
Polo, A., Z,."La organización material del capitalismo avanzado" in Domino Arquitectura y Urbanismo, Editorial Dos Puntos, Montevideo, 1998
Jáuregui. J.M. "Manifesto Arquitetônico: Por uma Arquitetura-arte", www.jauregui.arq.br
"On Line - Less Aesthetics More Ethics", Marsilio editori s.p.a, Venezia
Lesieutre S.S., "From Favela to Bairro", DrclasNews, Harvard University, Winter 2001 Newsletter